Featured Slider

Neste verão aposte no Espadrille


Vai verão, vem verão e este calçado que no passado era conhecido como alpargata e hoje é conhecido pelo pseudônimo espadrille  sobrevive à passagem do tempo evoluindo e adaptando-se às tendências e à moda, se reinventando a cada ano com estampas e texturas, no estilo bailarina, rasteira ou plataforma, sem dúvidas é um calçado confortável, rústico e atemporal que é must-have da estação mais quente do ano e provavelmente vai ser o calçado que você mais vai usar nesse verão.

Conta a história que Francisco Pizarro costumava jogar bola calçado com alpargatas porque, no exército, usar alpargatas simbolizava força. Mais de 500 anos se passaram desde então e, apesar disso, não há um só verão em que o espadrille não esteja acompanhando os pés das fashionistas que não abrem mão de conforto e estilo.



Sua origem se dá por volta do século XIV e, desde a Guerra Civil, a conhecemos tal e como agora. Foram os soldados republicanos os primeiros a usar este calçado com sola de corda e a parte superior de lona que a marca Castañer, aconselhada por Yves Saint Laurent nos anos 70, adicionou o salto plataforma. Essa foi a primeira vez que o espadrille foi inserido no mundo da moda e chegaram às passarelas, apesar de já terem feito sua estréia no filme "Catch a Thiefe" (1945) com ninguém mais ninguém menos que Grace Kelly calçando o que se tornaria o famoso espadrille.


Desde Grace Kelly a Duquesa Kate Middleton passando pelas It Girls Alessandra Ambrosio, Miranda Kerr, Alexa Chung e Camila Coelho, não há famosa que não tenha usado este calçado que possui tanta história e até hoje está na moda.


Confortáveis, elegantes, bonito, casual, ideal pra dias quentes como os que temos passado ultimamente,, são permitidas em (quase) todos os códigos de vestimenta, seja em ocasiões formais ou informais, dependendo do espadrille que você usa. Esse sapato clássico nunca sai de moda e há milhares de modelos e cores pra escolher.


Por ser um calçado versátil, o espadrille pode ser combinado com mil e um looks sendo os mais comuns usar com saia, calça jeans, vestidos e todo tipo de roupa que tenha uma proposta mais casual.


Existem tendências que passam por nossas vidas e tempos depois nem sequer lembramos que existiram, enquanto outras querem deixar claro que vieram pra ficar. Nesta segunda categoria podemos incluir sem dúvida alguma os espadrilles, eles podem parecer não muito glamuroso mas depois de calçado nos pés fica claro do porque esse sapato ter se tornado um verdadeiro objeto de desejo.


Espadrilhes é o calçado mais 'fashion' da estação, sim ou não? Inspirem-se nas propostas desse post e escolha o modelo de espadrille que mais combina com você pra usar já no seu look!

12 curiosidades sobre o veganismo


Os vegetarianos e os veganos já correspondem a quase 5 milhões de brasileiros que mudaram sua conduta alimentar seja por opção nutricional ou por estilo de vida e adotaram á uma alimentação onde o consumo de carne e seus derivados é de 0%. Em menos de 5 anos, o número de restaurantes vegetarianos no Brasil dobrou, o que também inclui propostas veganas.

Embora o crescimento dos vegetarianos e veganos em nosso país cresça cerca de 40% por ano, ainda assim o consumo de carne é excessivo na culinária brasileira. Em meio de tantas pessoas que desejam adotar ao veganismo é comum sempre ter dúvidas e curiosidades sobre como é esse estilo de vida.
No post de hoje eu reuni algumas curiosidades da história do vegananismo, bem como dicas pra quem esta querendo adotar a este estilo de vida.

12 curiosidades sobre o veganismo

  • O termo vegano foi inventado em 1944 por Donald Watson que viu a necessidade de  diferenciar os ovolactovegetarianos (que não comiam carne ou peixe, mas ovos e produtos lácteos) daqueles vegetarianos que não consumiam nenhum produto de origem animal
  • Watson, além de criar o termo vegano, também fundou a Vegan Society da Inglaterra. Em 1994, por ocasião do 50º aniversário de sua existência, o 1 de novembro foi escolhido como o dia para comemorar a sua criação. No entanto, a data exata de sua fundação é desconhecida, embora de acordo com a Vegan Society provavelmente tenha sido em 5 de novembro de 1944. Essa era a única associação vegana conhecida no mundo até a aparição em 1948 da American Vegan Society.
  • Fay K. Henderson, esposa de G. A. Henderson (cofundador com Watson da Vegan Society) foi a primeira pessoa a publicar um livro de receitas com a palavra 'vegan' no título.
  • Em 1979 a The vegan Society registou-se como uma organização sem fins lucrativos e estabeleceu a definição do termo vegano mais similar com a atual: modo de vida que busca excluir, tanto quanto seja possível e viável, qualquer forma de exploração e crueldade em relação aos animais usados para alimentação, roupas ou qualquer outro propósito.
  • A palavra 'vegan' foi incluída no Oxford Dictionary Supplement IV em 1986. A definição dada foi a de uma pessoa que se abstém de consumir qualquer produto de origem animal; um vegetariano rigoroso.
  • Uma das primeiras preocupações da The Vegan Society foi fornecer leite vegetal para as pessoas veganas na Inglaterra. Isso levou à criação da Plantmilk Society em 1956. Quando as empresas britânicas se recusaram a produzir leite vegetal devido à falta de demanda, a Plantmilk Society abriu sua própria empresa de produção de leite vegetal, Plantmilk Ltd.
  • A marca The Vegan Society está registrada desde 1990. Desde então, mais de 18 mil produtos foram certificados com ele, cerca de 75% das certificações são solicitadas por empresas de fora do Reino Unido, com a Alemanha á frente, seguido pela Itália e a Espanha.
  • No Brasil calcula-se que cerca de 10% da população se declara veggie (incluindo vegetarianos) enquanto 25% afirma ter tentado algumas alternativas vegetais à carne durante o último ano.
  • A Associação Americana de Nutrição e Dietética e  a Associação de Dietistas do Canadá afirmam que uma dieta 100% vegetal é saudável em qualquer estágio da vida (incluindo crianças e mulheres grávidas).
  • Estudos recentes mostraram que uma alimentação á base de plantas pode reduzir o risco de sofrer alguns tipos de câncer e de diabetes, bem como reduzir o risco de doenças cardiovasculares. A OMS liga o consumo de carne vermelha com um risco notável do surgimento do câncer numa pessoa.
  • As proteínas não são um problema para as pessoas veganas, os requisitos de proteína podem ser satisfeitos graças à combinação de cereais e legumes, nozes e legumes, cereais e nozes e alguns vegetais (como brócolis alcachofras, repolho ...) e brotos. Não é necessário combinar estes alimentos na mesma comida, consumi-los ao longo do dia já é suficiente.
  • Todas as pessoas veganas (incluindo as vegetarianas) devem suplementar-se com vitamina B12, pois esta vitamina infelizmente não está naturalmente presente em alimentos de origem vegetal em quantidades suficientes.
  • Na Alemanha, o número de produtos veganos aumentou em 1.800%. No Brasil, alguns produtos alternativos aos de origem animal, como leites de vegetais , cresceram 16% e o número de restaurantes vegetais dobrou nos últimos 5 anos.
  • O oposto do veganismo é o carnismo, a crença de que comer animais é normal, natural e necessário. Um sistema de crenças que nos condiciona a comer certos animais. Este termo foi usado pela primeira vez pela Dra. Melanie Joy em seu livro " Porque amamos cães, comemos porcos e nos vestimos de vacas", publicado nos EUA em 2010.
  • Segundo o Google Trends, o interesse na palavra vegano no Brasil (com base na busca realizada por pessoas) passou de uma média de 11 em cada 100 em 2012 para uma média de 79 a cada 100 no ano passado.
Resultado de imagem para veggie

A tendência veggie está crescendo cada vez mais, de acordo com o estudo The Green Revolution, do consultor Lantern, os restaurantes têm visto a oportunidade de se diferenciar da concorrência, adaptando seu cardápio á pessoas que seguem esse estilo de alimentação. No entanto, pucos hotéis aproveitaram a oportunidade para adaptar seus cardápios, pelo menos por enquanto.
Atualmente estima-se que o vegetarianismo cresça anualmente acima dos 10% entre os jovens na Alemanha, Áustria, Itália  e uma longa lista de países, não só porque existe um amplo consenso científico sobre os benefícios dos alimentos à base de plantas ( A própria Organização Mundial da Saúde aconselha que, no mínimo, qualquer pessoa deve comer cerca de 600g de hortaliças, vegetais e frutas por dia), mas também porque a comida vegetariana foi liberado do estigma de ser uma comida chata/ruim. A melhor prova disso é o número crescente de omnívoros, amantes da boa comida, que deliciam com os aperitivos vegetarianos tão requintados 
como a salada de abacate, quinoa e feijão, abóbora assada com ervas finas, o tofu de limão com arroz vermelho ou a salada fresca de pepino, abacate e maça, marinada com especiarias e cebolinha.
Além das considerações organolépticas, os pratos vegetarianos contribuem para uma dieta equilibrada e são recomendados para pessoas com excesso de peso ou obesidade (uma vez que adicionam volume ao estômago, em troca de poucas calorias), atletas, diabéticos, viajantes com hipercolesterolemia e, em geral, qualquer pessoa interessada em cuidar de sua saúde.

FlatLay: O que é essa nova tendência?


Se você usa Instagram, provavelmente já deve ter visto fotos Flatlay. As Flatlays vieram pra mudar completamente a paisagem da fotografia nos últimos tempos e no post de hoje vamos falar mais um pouco sobre este estilo de fotografia que é tendência no segmento fotográfico.

Mas o que é Flatlay?

Flatlay é basicamente uma imagem tirada de cima, esse estilo de fotografia valoriza os objetos que compõem a imagem tornando assim ao espectador um olhar mais detalhado e organizado dos objetos em foco. a Flatlay se tornou a nova 'trend'  do instagram e é uma maneira  eficaz e bonita de mostrar pros seus followers seus objetos favoritos e o famoso look do dia de uma forma que é esteticamente agradável.

Tipos de Flatlays

As Flatlays podem ser categorizadas por dois tipos: centrado em torno do objeto ou centrado em um ângulo alternativo.

Centrado em torno do objeto: neste tipo de flatlay o foco vai estar em torno do objeto central que você deseja destacar! Por exemplo, na foto abaixo o assunto principal é o e toda a foto é desenhada ao redor com outros objetos que complementam a imagem.

Centrado em um ângulo alternativo: aqui é um tipo de flatlay que foge um pouco do comum e é um pouco mais difícil de conseguir já que o ângulo deve estar perfeito. Esse tipo de flatlay é uma alternativa ao flatlay comum onde a foto é tirada de cima, para que o clique saia perfeito tente usar a configuração grade que geralmente você encontra tanta em câmera de celular como em câmeras digitais, e tire a foto de vários ângulos diferentes pra ver qual vai dar maior visibilidade aos objetos na foto.

5 dicas para se tornar craque em flatlays

Ultimamente pra mim, flatlays tem se tornado meu tipo de foto favorita pro Instagram. Tirar fotos neste estilo de forma perfeita não é tão difícil quanto parece, mas pode ser complicado. Nos últimas semanas eu treinei um pouco e experimentei fotografar uma variedade de flatlays e abaixo estão algumas dicas que eu peguei ao longo do caminho.

1.Qual mensagem você quer transmitir através da sua foto?

Na minha humilde opinião, ter um conceito é o segredo por trás de uma boa foto flatlay. Claro que você pode usar e abusar de itens aleatórios que fiquem em harmonia na fotografia, mas se não há um conceito ou significado por trás da criação a foto não ficará tão impactante como deveria ser. Seu conceito pode ser qualquer coisa, desde um simples "look do dia" até "o que está na minha mesa", mas precisa ter um conceito sólido. Então, antes de tirar um foto estilo flatlay, pergunte-se sobre o que você deseja transmitir através desta foto flatlay? Que mensagem você quer passar para a pessoa que olhar sua foto flatlay? Uma vez que você tenha isso em mente, vai ser muito mais fácil criar uma fotografia flatlay. No exemplo abaixo tem uma flatlay mostrando o que tomei no café da manhã em um dia específico.


2. Opte por uma iluminação suave

A iluminação é um dos componentes cruciais para obter um flatlay que evidencie todos objetos da foto. Uma vez que uma foto plana é bidimensional, é melhor evitar sombras nas suas fotos. E por esse motivo a melhor luz a ser usada é a luz natural suave e difusa, quando o sol está em seu pico, por volta do meio-dia, ele causa várias sombras nas suas fotos e pode ser bem desagradável, especialmente neste tipo de foto onde a câmera fica posicionada acima dos objetos.
Portanto, certifique-se de tirar fotos no início da manhã ( 6hs ás 10hs ) ou no finzinho da tarde ( 3hr ás 5hs ) quando o sol já estiver se pondo.


3. Escolha um plano de fundo simples

Quando se trata de plano de fundo para flatlays, menos é mais. Escolha um plano de fundo branco e simples para que o fundo contraste com os objetos que estão criando o flatlay. Você pode comprar uma placa de madeira branca, uma lona ou até mesmo uma cartolina branca que encontramos facilmente em livrarias. Você também pode usar fundos coloridos, mas certifique-se de coordenar bem com as cores dos itens da flatlay. Usar um objeto escuro na combinação de fundo escuro pode resultar em uma compilação plana que não vai parecer muito clara, você pode usar fundos com textura, mas evite ao máximo estampas grandes e muito coloridas pois vai deixar sua foto meio confusa.



4. Fotografando de cima

Vimos que a fotografia Flatlay são categorizadas por dois tipos e o mais comum é onde a foto é tirada de uma vista superior que também é conhecida como bird eyes view (visão olho de pássaro) já que você olha pra cena a ser fotografada como um pássaro voando no céu olha para baixo...é meio sem sentido mas vamos lá...tirar fotos flatlay do topo é bem mais fácil do que parece, o segredo é manter o celular/câmera em forma paralela ( plana ) ou direta para a cena a ser fotografada. Mesmo a menor inclinação pode ser perceptível numa foto flatlay, então o segredo reside em manter a câmera direta e plana de acordo com a cena.


5. Use o grid (grade)

A maioria das câmeras, sejam elas de celular ou não, possuem um recurso maravilhoso que se chama grid (grade) que ajuda você a alinhar sua câmera de acordo com a cena a ser fotografada. Ao usar o grid você vai compor sua foto efetivamente de uma forma bem fácil.

Resultado de imagem para câmera grid



Não esqueça de se inspirar

Um pouco de inspiração nunca é demais, criar flatlays requer muita criatividade e, se você esta em busca de inspirações criativas, abaixo eu separei algumas contas no Instagram que fazem flatlays belíssimas.





Espero que tirem bom proveito das dicas de hoje, em breve quero ver a flatlay de vocês arrasando por aí heim?

Mitos e verdades sobre Óleo Facial



Primeiro foram os óleos corporais, logo depois vieram os óleos capilares e é claro que não poderia faltar um óleo específico para a área do rosto. O óleo facial é o novo 'must-have' dos tratamentos anti-idade que está fazendo parte da rotina de beleza de quem está acima dos 20.
O óleo facial tem sido uma verdadeira descoberta pra mim, antes eu tacava na pele produtos oil-free(livre de óleo) porque pensava que produtos que continham óleo iam deixar minha pele com acne. Mas após dar uma pesquisada e começado a usar, eu descobri que óleo facial é o que há de melhor!

Os benefícios do óleo facial são múltiplos, especialmente anti-idade. Os óleos faciais ajudam a mitigar as linhas de expressão e a aumentar a luminosidade do rosto sem deixa-lo com aspecto oleoso.
Mas ainda há muitas mulheres que não se atrevem a usa-los em seu ritual de beleza por causa das dúvidas e suspeitas que eles levantam.
Mas chega de suspeitas ou dúvidas sobre esse produtinho milagroso! Abaixo reuni alguns mitos e verdades sobre o óleo facial.

Mito: Não absorve facilmente
Verdade: Os óleos são absorvidos diretamente pela camada superior da epiderme, onde atuam melhorando a função da barreira. Os lipídios da pele têm grande afinidade por outros lipídios (isto é, óleos) para que eles não apenas absorvam rapidamente, mas também tenham uma grande capacidade de penetração, fazendo com que seus ativos atuem nas camadas mais profundas da pele.

Mito: Produz oleosidade
Verdade: Um bom óleo não produz oleosidade ou brilho em excesso, entre outras razões porque a pele absorve o óleo rapidamente. O que faz é dar uma luminosidade, melhorando a hidratação e a nutrição da pele. Com o óleo, a pele permanece luminosa, macia e melhora (muito!) as rugas.

Mito: Causam acne
Verdade: é um fato que óleos minerais causam acne, mas a qualidade dos óleos cosméticos e secos não. Tanto pela sua formulação quanto pela seleção de seus óleos, são absorvidos rapidamente, e não dilatam os poros.

Mito: Não hidratam
Verdade: O 'cimento' que liga as células da epiderme entre si são os lipídios: óleos que os mantém unidos. E quando essa barreira epidérmica é compacta, a pele é saudável e parece luminosa e radiante. Ao fornecer lipídeos relacionados com a pele através de um bom óleo facial, estamos dando á epiderme a quantidade certa de óleos que melhoram a função da barreira, o que se traduz em uma menor perda de água transepidérmica.

Mito: É indicado apenas para peles maduras
Verdade: A pele começa a envelhecer antes dos 25 anos, embora os sinais externos demorem mais para transparecer, mas mesmo em idade tão jovem a barreira lipídica começa a sofrer e a regeneração celular diminui. É por isso que a prevenção é tão importante, e os óleos são excelentes para isso, pois ajudam a manter a coesão da barreira epidérmica. E se estiver em boas condições, será mais forte, mais resistente, mais saudável e estará protegida.

Qual o melhor momento para usar os óleos faciais?

O óleo facial é diferente do sérum, mas pode ser aplicado pela noite. Também pode ser usado junto ao seu creme hidratante, adicionando apenas umas gotinhas do produto. É uma ótima opção para usar antes da base de maquiagem. Em geral, é melhor usar óleos faciais durante a noite, embora existam muitos óleos que podem ser usados durante o dia.

Lembre-se: É importante usar pouca quantidade. Leia sempre as instruções do fabricante, mas, em geral, 2 ou 3 gotas é o suficiente para o rosto e pscoço. Depois de limpar a pele, aplique algumas gotas do óleo facial e logo após aplique o seu creme hidratante como de costume.


Com tantas funções benéficas em um único produto, vale á pena começar a usar já o óleo facial.